Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/1065
Document Type: Trabalhos em Eventos
Title: Práticas de castigos escolares nos 1800: o cotidiano no plural
Authors: Freitas, Anamaria Gonçalves Bueno de
Souza, Milena Cristina Aragão Ribeiro de
Issue Date: Aug-2012
Abstract: Os castigos são práticas utilizadas para repreender comportamentos inadequados, presentes em diversos espaços e relações sociais. Desde o início da escolarização brasileira, ocorrida a partir do século XIX, as práticas de castigos mostram‐se frequentes. Castigar fazia parte da ação docente, juntamente com instruir, isto é, não se concebia a possibilidade do ensino formal sem as sanções colocadas quando de um erro cometido, afinal, havia o desejo de uma nação civilizada, ordeira e desenvolvida, sendo a escola fundamental neste processo. Assim, acreditava‐se que a socialização das novas gerações passava pela escola e, por conseguinte, pelos castigos, aplicados comumente no corpo, tendo a palmatória como símbolo. Todavia, como os castigos eram representados por pais, docentes e sociedade civil nos 1800? Havia consenso? O que diziam as legislações? O que diziam os métodos de ensino? Neste contexto, este artigo objetiva ‐ através de fontes bibliográficas e documentais ‐ problematizar as praticas de castigos escolares no século XIX adentrando tanto nas concordâncias, quanto nas tensões e conflitos do cotidiano, a fim de compreender suas múltiplas formas, bem como sua dimensão cultural. A escolha pelo período oitocentista se dá em decorrência das inúmeras transformações políticas, econômicas e sociais ocorridas neste tempo, com vistas ao fortalecimento da nação, que estimulou a educação formal, a criação de escolas de primeiras letras e o fortalecimento do Estado regulando e normatizando ações. O texto é construído de forma a explicitar os castigos físicos e morais nos 1800, denunciando os conflitos do cotidiano através das vozes favoráveis e contrárias à ele ‐ presentes, inclusive, na literatura da época ‐ abordando, também, a presença do Estado e sua validade como regulador de praticas ordinárias. O texto transita pelos pressupostos da História Cultural, utilizando como categorias de analises os conceitos de Estratégias e Táticas (Michel De Certeau) e Processo Civilizatório (Norbert Elias), bem como autores que se preocuparam em discorrer sobre a temática dos castigos na educação formal, como Cesar Castro, Claudia Engler Cury, Cynthia Greive Veiga, Rita de Cássia Souza, entre outros. O artigo é concluído problematizando as relações entre Estado e sujeitos na construção de práticas sociais, sendo estas nunca lineares ou homogêneas, mas fruto de uma série de conflitos, tensões, disputas e lutas de poder, mostrando que o mergulho no cotidiano é plural, escrito por sujeitos nada passivos, mas capazes de imprimir múltiplas cores, formas e grafias.
Keywords: História da educação
Século XIX
Práticas escolares
Castigos físicos
Educação
Publisher / Institution : Universidade Federal da Paraíba
Citation: SOUZA, M. C. A. R.; FREITAS, A. G. B. Práticas de castigos escolares nos 1800: o cotidiano no plural. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS “HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL”, 9., 2012, João Pessoa. Anais eletrônicos... João Pessoa: UFPB, 2012. Disponível em: <http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario9/PDFs/3.03.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2014.
URI: https://ri.ufs.br/handle/riufs/1065
Appears in Collections:DED - Trabalhos apresentados em eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PráticasDeCastigos.pdf301,91 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.