Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/12003
Document Type: Dissertação
Title: Economia colaborativa em turismo: estudo comparativo de modelos de negócio entre empresas tradicionais e de turismo colaborativo
Authors: Cabanne, Cibele Lopes Souto Maior
Issue Date: 15-Feb-2017
Advisor: Luft, Maria Conceição Melo Silva
Co-advisor: Abreu, Aline França de
Resumo : A Economia Colaborativa, um novo e emergente sistema socioeconômico fundamentado na tecnologia que trouxe à tona, dentre outros, inovadores modelos de acesso temporário e de não-propriedade, tem sido descrita como a maior mudança no cenário dos negócios desde o advento da internet. Ela viabiliza o compartilhamento par a par de bens, serviços e até dinheiro, em uma escala e velocidade inimagináveis uma década atrás. O setor mais afetado por essa transformação é o de turismo, no qual a Economia Colaborativa mais cresce. Nessa área, composta tradicionalmente por hotéis, pousadas, táxis e operadores de viagens, o Turismo Colaborativo tem conquistado um número progressivo de pessoas, fazendo com que indivíduos comuns compartilhem com os turistas o que eles possuem (casas, carros, etc.) ou o que eles fazem e vivenciam, como refeições e excursões (JUUL, 2015), através de plataformas com ou sem fins lucrativos que estão alcançando o mundo e perturbando as grandes empresas tradicionais do setor (ZERVAS; PROSERPIO; BYERS, 2013). Nesta atual realidade econômica, a maior empresa de hospitalidade do mundo não possui nenhum quarto ou hotel e, da mesma forma, a maior empresa de transporte não possui um único veículo. Essas empresas: Airbnb e Uber, são apenas dois exemplos dessa mudança que está transformando a vida, economia e forma de fazer negócios em todo o globo (OWYANG; SAMUEL, 2015). No Brasil, o Turismo Colaborativo se tornou ainda mais atrativo graças às condições desfavoráveis da economia, significando uma fonte alternativa de renda para aqueles que desejarem alugar seus ativos ociosos para os turistas ou ainda uma redução de custos para aqueles que viajam. Imerso nesse contexto, o objetivo do presente estudo é analisar comparativamente os modelos de negócio de empresas monetizadas de Turismo Colaborativo e de turismo tradicional de mesmo ramo, com base nos componentes do Business Model Canvas (OSTERWALDER; PIGNEUR, 2011). Para isso, foi adotado o estudo de casos múltiplos como estratégia de pesquisa, envolvendo a realização de entrevistas semiestruturadas com três gestores de cada uma das duas categorias de empresa. Visando a corroboração dos achados, efetuou-se uma triangulação com análise documental e, como critério de confiabilidade adicional, utilizou-se o software para pesquisas qualitativas Atlas.ti. Os seis casos foram tratados mediante análises de conteúdo e comparativa (cross-case analysis). Tal investigação evidenciou que as empresas de Turismo Colaborativo buscam atender a clientes com demandas distintas daqueles do turismo tradicional, o que se reflete em todo o modelo de negócio. Assim, o Turismo Colaborativo diversifica ainda mais os modelos de negócio do setor de turismo. Portando-se como marketplaces de serviços, as plataformas tanto apresentam novas experiências de imersão ao turista, quanto ampliam a personalização de serviços já existentes. Dessa forma, tendo em vista que tais características surgiram como resposta a um novo perfil de viajante (DREDGE; GYIMÓTHY, 2015; FORNO; GARIBALDI, 2015), o Turismo Colaborativo pode significar uma transformação tão importante para o turismo quanto o e-commerce foi para o comércio, coexistindo, complementando e modificando as empresas tradicionais do setor.
Abstract: A Economia Colaborativa, um novo e emergente sistema socioeconômico fundamentado na tecnologia que trouxe à tona, dentre outros, inovadores modelos de acesso temporário e de não-propriedade, tem sido descrita como a maior mudança no cenário dos negócios desde o advento da internet. Ela viabiliza o compartilhamento par a par de bens, serviços e até dinheiro, em uma escala e velocidade inimagináveis uma década atrás. O setor mais afetado por essa transformação é o de turismo, no qual a Economia Colaborativa mais cresce. Nessa área, composta tradicionalmente por hotéis, pousadas, táxis e operadores de viagens, o Turismo Colaborativo tem conquistado um número progressivo de pessoas, fazendo com que indivíduos comuns compartilhem com os turistas o que eles possuem (casas, carros, etc.) ou o que eles fazem e vivenciam, como refeições e excursões (JUUL, 2015), através de plataformas com ou sem fins lucrativos que estão alcançando o mundo e perturbando as grandes empresas tradicionais do setor (ZERVAS; PROSERPIO; BYERS, 2013). Nesta atual realidade econômica, a maior empresa de hospitalidade do mundo não possui nenhum quarto ou hotel e, da mesma forma, a maior empresa de transporte não possui um único veículo. Essas empresas: Airbnb e Uber, são apenas dois exemplos dessa mudança que está transformando a vida, economia e forma de fazer negócios em todo o globo (OWYANG; SAMUEL, 2015). No Brasil, o Turismo Colaborativo se tornou ainda mais atrativo graças às condições desfavoráveis da economia, significando uma fonte alternativa de renda para aqueles que desejarem alugar seus ativos ociosos para os turistas ou ainda uma redução de custos para aqueles que viajam. Imerso nesse contexto, o objetivo do presente estudo é analisar comparativamente os modelos de negócio de empresas monetizadas de Turismo Colaborativo e de turismo tradicional de mesmo ramo, com base nos componentes do Business Model Canvas (OSTERWALDER; PIGNEUR, 2011). Para isso, foi adotado o estudo de casos múltiplos como estratégia de pesquisa, envolvendo a realização de entrevistas semiestruturadas com três gestores de cada uma das duas categorias de empresa. Visando a corroboração dos achados, efetuou-se uma triangulação com análise documental e, como critério de confiabilidade adicional, utilizou-se o software para pesquisas qualitativas Atlas.ti. Os seis casos foram tratados mediante análises de conteúdo e comparativa (cross-case analysis). Tal investigação evidenciou que as empresas de Turismo Colaborativo buscam atender a clientes com demandas distintas daqueles do turismo tradicional, o que se reflete em todo o modelo de negócio. Assim, o Turismo Colaborativo diversifica ainda mais os modelos de negócio do setor de turismo. Portando-se como marketplaces de serviços, as plataformas tanto apresentam novas experiências de imersão ao turista, quanto ampliam a personalização de serviços já existentes. Dessa forma, tendo em vista que tais características surgiram como resposta a um novo perfil de viajante (DREDGE; GYIMÓTHY, 2015; FORNO; GARIBALDI, 2015), o Turismo Colaborativo pode significar uma transformação tão importante para o turismo quanto o e-commerce foi para o comércio, coexistindo, complementando e modificando as empresas tradicionais do setor.
Keywords: Administração de empresas
Turismo
Economia
Negócios
Alianças estratégicas
Criatividade nos negócios
Economia colaborativa
Turismo colaborativo
Modelo de negócios
Collaborative economy
Sharing economy
Collaborative consumption
Collaborative tourism
Business model
Subject CNPQ: CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO
Language: por
Institution: UFS
Program Affiliation: Pós-graduação em Administração
Citation: CABANNE, Cibele Lopes Souto Maior. Economia colaborativa em turismo: estudo comparativo de modelos de negócio entre empresas tradicionais e de turismo colaborativo. 2019. 168 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2019.
URI: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/12003
Appears in Collections:Mestrado em Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CIBELE_LOPES_SOUTO_MAIOR_CABANNE.pdf4,2 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.